Ensaio sobre ser usado

Há muito que sei que há quem se aproveite de mim. A minha vida profissional é uma história contínua de muitos alguéns, que de uma maneira ou de outra, crescem curricularmente à custa de muito trabalho meu. Acontece que consigo ser muito resistente profissionalmente e nada disso me afecta. O que realmente me deixa destruído, é sentir que as pessoas por quem nutro afecto, na maioria das vezes, se aproximam com segundas ou terceiras intenções. E eu caio. No fim, depois de conseguirem o que queriam, ainda têm força e descaramento suficiente para me dizer que se sentem desamparadas. Há mesmo a necessidade de me relembrar que tudo o que faço é porque quero. Claro que, dito com arrogância e estupidez, fica a parecer que quem recebe é incapaz de agradecer. Pois bem, agradecer e depois retribuir, é uma característica que só as Grandes Pessoas têm. Infelizmente tendo a ter um dedo podre, e de vez quando aponto e confio para gente que tem pouco das 2 coisas que mais preservo no carácter de alguém: saber sentir e dizer com sinceridade “obrigado” e “desculpa”. Eu tendo a responder que ninguém me obriga a nada, e as desculpas evitam-se. Mas é importante ouvir e sentir que há sinceridade e honestidade nas pessoas que ajudamos. O mundo seria muito melhor se as pessoas conseguissem agradecer e pedir desculpa. Mas há muito orgulho e a necessidade de espetar e piorar as coisas. Quando encurraladas, e sem qualquer razão, pessoas sem caracter são incapazes de assumir os erros, simplesmente pedir “desculpa” e agradecer todo o bem que lhe fazem. Não é minha obrigação ajudar terceiros. Nem sequer a sinto. É algo que me faz bem e com o qual me sinto realizado. É por isso que, mesmo quando sinto que as pessoas se estão a aproveitar da minha boa vontade, fico tranquilo. O que é mau, fica do lado de lá. Isso faz de mim uma pessoa melhor. Quem se aproveita de mim, se tem consciência, um dia perceberá que não se cospe na mão que nos alimenta. Não se maltrata quem nunca falha nas horas piores da nossa Vida. Eu tendo a não falhar com as pessoas que gosto. E mesmo quando me falham uma, duas, três, quatro ou cinco vezes, nunca deixo a mágoa vencer a minha vontade de construir e ser feliz com as condicionantes do dia-a-dia. Há mágoas muito profundas que só passam na paz e no sossego de um lar construído sobre valores fortes. A distância de um dia, uma hora, um minuto, um segundo é uma condenação ao fracasso. Esse mesmo fracasso com que sempre convivi mal, mas aprendi a aceitar. Há pessoas que não compreendemos e jamais compreenderemos. Há gente louca que mata, rouba e mente para si própria. Há gente doente que não se controla nem se esforça por controlar o miserabilismo em que a sua Vida se tornou. Há gente que cria um mundo de verdades paralelas e é simplesmente incapaz de ver em linha recta… Infelizmente ha gente que nos usa e nos deita fora. Não me choca que me usem, não me traumatiza que me deitem fora. O que realmente custa é ter a nítida sensação de que a maioria dessas pessoas jamais saberá o mal que vai espalhando pelo mundo. Não mudarão, não farão nada de diferente. Vão continuar com a sua arrogância triste a dizer barbaridades infantis, só para magoar. Não precisam de nada nem de ninguém. Não necessitam de guarida, nem em situações de desespero. Não querem ter-nos por perto porque até as “amizades” lhes destruímos. Caramba, que Vida boa têm essas pessoas. Resta-me só perguntar: se é assim tão maravilhosa, porque me usam e deitam fora? Porque me magoam e tentam destruir, se tudo o que quero é que estejam bem? Talvez o problema seja mesmo eu. Volto ao caixote do lixo resignado: o facto de ser usado, é porque tenho utilidade num mundo cheio de inúteis. Continuo humildemente satisfeito por nunca ter tentado usar ninguém, nem magoado por prazer. Gosto das pessoas mesmo. Sinto saudade, amor, compaixão, respeito… É bom sentir e não ficar insensível à dor. Vou sendo usado e deitado fora com a sensação de dever cumprido. Podem enganar-me, mas jamais me roubam esta sensação de tentar ser boa pessoa. E isso, dá muito trabalho. O que gostaria de dizer a algumas dessas pessoas nunca será dito porque preciso que me ouçam e me deixem dizer o que texto algum pode transmitir, ou discussão alguma pode resolver. A questão é sempre, será que essas pessoas querem e sabem lidar com a Verdade? Não. Viram as costas e fogem. Fogem da sua própria Vida. Cobardes. Arrogantes. Inuteis que ninguem usa. O tempo de ser feliz perde-se nestas coisas…

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Não categorizado. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s