Ensaio sobre criar ouro a partir de pó imaginário

Este país nunca terá futuro enquanto continuarmos a achar que somos uns incapazes. Uns coitados que não conseguem mais e melhor. A única ambição que existe pelas ruas e pelos cantos, é o enriquecimento rápido. Não se busca uma evolução pessoal nem se estabelecem metas. Não há uma necessidade de ser mais e melhor. Ser original. Único. É muito mais fácil confiar que lá fora é que se fazem as coisas bem feitas. São eles que comandam, são eles que sabem o caminho. Confiamos cegamente que é no estrangeiro que reside a solução para todos os nossos males. Eu que sou contra qualquer pensamento ultra nacionalista, tenho a certeza de que neste país existe gente tão ou mais capaz do que em qualquer outro país da Europa. Aliás, será preciso dizer que em todas as àreas, desde a empresarial até à ciência, existe quem faça muito mais que o esperado, com muito menos apoios e muita desconfiança. É por isso que não aceito, não compreendo e recuso-me a compactuar com este sistema que valoriza o que vem de fora, reduzindo e ignorando toda a qualidade humana e laboral que temos cá dentro. Farto-me de dizer, escrever e apregoar que os Portugueses são extremamente inteligentes e bons trabalhadores na sua maioria. O problema é mais denso. São precisas condições para que os melhores cheguem aos sítios certos e não exista uma qualquer barreira, nomeadamente humana, que faça uma selecção artificial do que só a natureza deveria se encarregar de fazer. Fico extremamente aborrecido porque estas ideias luminosas de cabeças escuras, servem para que ocorram mais uns quantos truques de chico-espertice. Estes Portugueses de terceira, que implementam estas regras de gosto duvidoso, buscam apenas aproveitar-se do alheio. Olham para fora não como uma oportunidade de crescimento e evolução mas antes como o único meio de sobrevivência. Ficam estagnados á espera que a valorização internacional faça aquilo que a cabeça e as mãos não conseguem. É escandaloso. É doentio e ainda mais problemático para um país em crise. Se a União Europeia apoia, é apenas para garantir que o dinheiro fica nos países mais ricos, industrializados e interessados em fingir que há uma verdadeira cooperação transnacional. São eles que ganham, enquanto os portugueses que agitam essas bandeiras apenas se mantêm no estado letárgico e apático de sempre. Não avançam, nem deixam avançar… Esta mania terrível que nos impõem de que os estrangeiros, seja em que área for, é que são um máximo chega a criar-me um mal-estar tão grande que sou incapaz de me conter. Não somos melhores nem piores. Somos apenas capazes de igualar e bater-nos com o melhor dos profissionais estrangeiros da nossa àrea. Criamos ouro a partir de barro. Ás vezes até de pó imaginário. E em vez de nos incentivarem, criam obstáculos e barreiras bem visíveis. Mas nem assim conseguirão evitar o que aí vem. Tão depressa nos pisam e enfraquecem, nos humilham e nos colam à cara um rótulo de incapazes e menores que com a mesma velocidade se alevanta uma maré. Uma onda que não se vê e que os arrastará para os confins do inferno. Sei que assim é porque de outra forma não pode ser. A Vida vai-se encarregar, suave ou violentamente, de mostrar que este caminho é errado. É um equívoco que não deveria acontecer. Apenas mais um erro entre tantos. Uns querem perpetuar o seu domínio, outros enriquecer depressa. Pois que se afoguem em notas de euro e que enlouqueçam dando ordens. Um dia as coisas mudam e verão que não somos menos que ninguém, nem maiores. Somos outros. E como outros que somos, abreviamos com a nossa própria linguagem e o nosso estilo…

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Não categorizado. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s