Arquivos Mensais: Maio 2011

Ensaio sobre precisar aprender por si

Ás vezes cai em mim uma melancolia quase como um eterno entardecer sobre a vontade. Cruzo os braços e páro. Parar é o pior de tudo porque começo a andar devagar. Tão devagar que consigo reparar em quase tudo. Nas … Continuar a ler

Publicado em Não categorizado | Publicar um comentário

Ensaio sobre “José e Pilar” revisitado

Ontem revi o filme sobre José Saramago. Tive mesmo de me controlar para não expôr toda a minha fragilidade humana. José Saramago emociona-me pela história extraordinária de uma pessoa quase sem instrucção que se tornou um dos maiores escritores de … Continuar a ler

Publicado em Não categorizado | Publicar um comentário

Ensaio sobre as arruadas

Não chega a crise e o desemprego. Os comprimidos para a depressão. As vitaminas e as lágrimas. Nada consegue ser mais bárbaro que ser apanhado por uma arruada dessas que andam por aí, pelas principais cidades do país. O melhor … Continuar a ler

Publicado em Não categorizado | Publicar um comentário

Ensaio sobre as mães

É bem patente nos meus ensaios, o carinho e simpatia que todas as mães me despertam. Principalmente as boas mães que se desdobram e redobram para que os seus filhos vivam o melhor possível. Não suporto as mães que usam … Continuar a ler

Publicado em Não categorizado | Publicar um comentário

Ensaio sobre um casamento

Fui a um casamento. Coisa rara dada a minha antipatia por confusão e muita gente. Tudo estava organizado ao pormenor e, apesar de não concordar muito com a parte que envolve o “negócio” do casamento, sou completamente a favor de … Continuar a ler

Publicado em Não categorizado | Publicar um comentário

Ensaio sobre as lágrimas legislativas

Ontem até estava animado. Não é todos os anos que se podem ter 2 equipas portuguesas no final da Liga Europa e apesar de ser benfiquista, dizem que ferrenho, não deixo de ter fair play. Era um dia de sorte … Continuar a ler

Publicado em Não categorizado | Publicar um comentário

Ensaio sobre a normalidade e “os normais”

Há um certo conforto na normalidade. Seja pelo alívio de nos sentirmos menos diferentes, seja pelo consolo de percebermos que embora não estejamos sempre certos temos o direito à indignação. E que não se engane o mais comum dos mortais: … Continuar a ler

Publicado em Não categorizado | Publicar um comentário