Ensaio sobre o Perfil

Os dias têm passado a mil à hora entre regressos esperados, jantares marcados, prendas inesperadas e momentos importantes para as pessoas que por perto vão estando. Estes são dias felizes o que comprova a minha velha teoria que estar sem emprego e sem fontes de rendimento não é o mais importante na vida. É preciso ter o suficiente para comer e sobreviver porque Viver não depende dos euros, só das pessoas que escolhemos para permanecerem a olhar por nós. É neles que se espelha o nosso perfil. A nossa silhueta da alma e o recorte do tamanho do nosso coração. Independentemente do que fisicamente somos, ergue-se sempre a dúvida sobre o modo como passamos os nossos dias. Alguns dias obrigam-me a parar e a perguntar se estarei certo ou errado e se vale mesmo a pena Viver desta maneira… Os últimos dias são a resposta. Nada melhor que receber gente que esteve longe com a sombra da saudade nos olhos, mesmo que o corpo pareça não dizer e as palavras calem o que o coração diz. E a gratidão é mútua. Pelos que vão e nos obrigam a experimentar o Inverno da ausência e pelos que ficam surpreendidos com a aproximação que muitas vezes a saudade traz…  Fui também ver uma defesa de doutoramento muito emotiva. Para a candidata, júri e público. Eu senti-me especialmente emocionado… Acho que os elogios do júri foram de tal modo sinceros que não bastando a eloquência do discurso, houve um momento de “quase choro” de um professor catedrático. Momento único em defesas de doutoramento, tenho a certeza. Depois o facto de ouvir um agradecimento à minha pessoa durante as provas confesso que foi não só um momento de orgulho mas também uma total surpresa. Não era preciso tal agradecimento mas é bom quando somos publicamente expostos pelas boas razões da vida… Estes dias têm sido pouco cansativos apesar de muito ocupados. São dias que nos definem e que traçam o nosso perfil da maneira mais sincera. São dias em que nos espelhamos na vida dos outros e vemos o retorno que nunca pedimos nem queremos. Ficamos atentos sem interferir. A olhar lá do alto do nosso penhasco sobre a vida de quem passa. Não me sinto de fora. Pelo contrário, estou a ter uma vista priviligiada sobre vidas bem interessantes que só beneficiam a minha. Fico grato pelo passar dos dias com boas notícias. Um artigo aceite. Um reencontro de 2 amantes que sonham, e trabalham, para a vida perfeita a 2. Uma pessoa que concluí um doutoramento a sério. Daqueles que demoraram anos a fazer e merece cada um dos elogios. Merece mesmo. E sente-se no ar aquela onda de emoção que até as pessoas mais frias são incapazes de negar. Eu fico por aqui. Com o coração a transbordar de alegria porque tudo o que põe a rir as pessoas que eu gosto faz-me rir também. Tudo o que alegra as pessoas onde me espelho se reflete em mim. A verdade, o prestígio, a bondade e a felicidade não se dividem, só se somam quando nos pomos a jeito.  De perfil…

 

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Não categorizado. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s